João,
Helena, Maria Julia e Cláudio Silveira  clicados by Tânia Müller

 Mãos à obra, mãos à moda”  é o tema desta 16º
edição do Dragão Fashion Brasil, que termina hoje, no
Terminal Marítimo de Passageiros do Porto do Mucuripe, em Fortaleza.  Este
evento só é  possível com as mãos entrelaçadas de João, Helena, Maria
Julia e Cláudio Silveira, os dragões que fazem  o maior evento de moda
autoral do País acontecer .

  Um dos segredos do sucesso  de Cláudio, ,nome
mais importante do cenário da Moda do Nordeste, é a  família trabalhar e ser
unida . São donos da 
produtora  Equipe de Produção, além de uma locadora e produtora de
móveis, e  de uma empresa de cenografia  com carpintaria,

  “Somos uma família
muito unida. Eu e Helena somos opostos que se atraem  Minha vida  é
trabalho, sou workaholic, enquanto ela  é muito mãe. Os meus filhos também
são totalmente diferentes. Nosso lema  é  ser amigos ,antes de tudo
.Isto uniu nossa família Existe  uma  parceria, temos  noção da
importância de cada um e respeito . Quanto tenho que dar bronca, dou, mas antes
de tudo como parceiro, amigo. Fazemos tudo juntos . 
Viajamos, vamos ao cinema,  praia , às vezes pegamos um avião e
vamos a uma balada, juntos.Temos uma cabeça jovem  e eles são jovens com
cabeça  mais madura, pois se viraram muito sozinhos desde cedo” explicou
Claudio

 Segundo Helena , braço direito de Claudio   e responsável
  desde a concepção do tema até a parte financeira
do evento, o importante é o diálogo. Quando um está errado, conversam. Mostram
os erros, os  acertos. quando estão cansados fogem para qualquer lugar,
mas todos os quatro juntos. “A gente conversa, briga, mas coloca todos os
pontos  em pauta  e vamos vivendo em harmonia Quando chega o período
de pré Dragão, todos nos envolvemos . Os meus filhos  jogam ideias mais novas, pois
tem uma cabeça mais aberta focado no agora, no que está acontecendo no mundo,
no momento. Escutamos  e viabilizamos o evento da melhor maneira.  Fomos muito felizes  por ter sido escolhidos pelo Governo do Estado
de ter este espaço. A praça onde acontecia antes o Dragão, era boa ,mas tinha
problemas de espaço. ,de segurança .Acho que todos que estão aqui adoraram”
afirmou

 O Dragão, que
começou  a17 anos, e hoje está em sua 16ª edição, cresceu  e conta
nesta edição com 1000 profissionais envolvidos , entre staff, montagem e
estrutura, reunindo 250 profissionais da imprensa nacional e internacional ,
gerando mais de 2.700 empregos diretos e indiretos durante o evento. A
indústria da moda do Ceará gera  anualmente US$ 11,4 Bi, envolvendo hoje,
mais de 2 mil confecções onde a  produção anual ultrapassa 60 milhões de
peças, mas com altos níveis  de informalidade. São 9 mil empregos formais
, gerados por 150 fábricas implantadas na região do Cariri, quase todas de
pequeno e médio porte

João, que cursa o 6ª semestre
da faculdade de Comunicação e Marketing , é o  diretor de sala dos
desfiles  .”O Dragão Fashion Brasil, no Brasil como um todo, é muito
importante. É  um legado de família que eu quero levar para o resto
da  minha vida. Por isto desde menino, achei ser importante participar do
evento, estar dentro e ajudar  e gerir  e  ainda espero
continuar a contribuir muito ao trade e, agradecer sempre meu pai e minha mãe
por me apoiarem, e me ensinarem como agir, sempre.. O apoio deles é fundamental
.O Dragão aconteceu e acontece por causa de Claudio Silveira.” Diz com
orgulho.. Ainda segundo João”. Ele é f….,só tenho a aprender com ele.  Mesmo com este
jeito  de cobrar muito,  pois é um perfeccionista, ás
vezes  curto e grosso, mas  sendo ao mesmo tempo extremamente carinhoso, só tenho que aprender
com ele .O Dragão é um irmão nosso, crescemos juntos. Desde que alguém queira
ajudar, nossa família dá o retorno. Agregamos” afirmou

Maria Julia,  estudante
de jornalismo  é  a  responsável
pelo credenciamento do evento, tomando   conta do DFHouse .” Desde de 1999, na
primeira edição, que foi em novembro,  era dia do meu aniversário,  eu não esqueço. Quando chegamos em casa tinha
uma festa surpresa Eu fiquei muito emocionada, pois mesmo com a correria do
evento, meus pais não se esqueceram . Este respeito que temos com a nossa
união, pelo trade, pela moda ,pela nossa cidade, conseguimos trazer para o
Dragão Desde da minha 8ª serie eu sabia o que eu queria , Sempre gostei de moda
 e fui  me envolvendo  Eu sempre 
ficava ali, com os meus pais, resolvendo os problemas. Desde tempo eu já sabia o que era
jornalismo. Sempre gostei muito de escrever. Quero fazer minha pós graduação  na moda. Consigo ter uma visão bem adiantada  do
segmento, captar o conceito e ajudar  “ concluiu